Portugal regista ponto de viragem nos hábitos de compra durante o Covid-19

Perante uma situação sem precedentes, todos fizemos enormes mudanças no nosso dia-a-dia com novas formas de vida e um espírito comunitário altruísta. Um estudo europeu realizado pelo PayPal em parceria com a Ipsos durante a crise, revela um importante ponto de viragem nos hábitos de compra em Portugal – em particular, a solidariedade e o espírito local.

Apoio às pequenas empresas e às empresas locais…

Embora a fidelidade às grandes marcas tenha-se mantido durante o confinamento, foram as pequenas e médias empresas que se destacaram, uma vez que os inquiridos em Portugal reconheceram a importância de apoiar os retalhistas locais. Mais concretamente, 27% dos consumidores dizem que fazem compras com pequenas empresas mais frequentemente do que o habitual durante o confinamento, em comparação com 16% que afirmaram o mesmo para as grandes lojas.

Os idosos prestaram o maior apoio às empresas locais:

  • 89% das pessoas com mais de 65 anos acreditam que o apoio à economia local é essencial para superar a crise
  • 63% dizem sentir-se responsáveis por apoiar as empresas na sua área

E este apoio à economia local e às empresas locais não parece ter parado com o fim do confinamento, com 75% dos inquiridos em Portugal a afirmarem que vão comprar mais produtos locais e regionais.

… que parece estar mais ou menos para se manter com novos métodos de pagamento

O confinamento fez com que as empresas e os consumidores favorecessem os pagamentos sem contacto, o que permite que sejam seguidas medidas de distanciamento.

Enquanto a grande maioria dos cidadãos portugueses (62%) usou cartões bancários para pagar as suas compras durante o confinamento, 47% optou pelos pagamentos online. 67% dos millennials preferem serviços de pagamento online, em comparação com 40% dos cidadãos que têm mais de 55 anos.

  • 67% estão dispostos a experimentar novas formas de pagamento nas suas lojas favoritas
  • 62% dos inquiridos preferem usar métodos de pagamento contactless para evitar a introdução do pin

A utilização de numerários ainda está em debate: 62% dos inquiridos em Portugal estão dispostos a voltar a pagar em dinheiro nas lojas quando a situação melhorar, mas 33% continuam com medo.

Onda de solidariedade: Doações online aumentaram

Os pagamentos online e a solidariedade saem vitoriosos da crise. Embora tenha existido uma diminuição temporária dos donativos durante o confinamento devido a uma fase de incertezas que exige resiliência, o  abrandamento do confinamento conduziu a um aumento significativo de ações solidárias. Com efeito, os portugueses querem contribuir para a recuperação económica e o pagamento online é o seu método preferido para o fazer:

  • 69% dos consumidores afirmam ter escolhido este método de pagamento para enviar dinheiro aos seus familiares (familiares e amigos)  durante o confinamento.
  • 72% dos inquiridos preferem agora fazer doações online, um aumento de 14% em relação ao período antes crise.

Estamos numa situação sem precedentes que mudou radicalmente a forma como vivemos, trabalhamos e consumimos. Orgulhamo-nos da forma como a nossa comunidade PayPal se uniu para proteger e apoiar uns aos outros, e de como conseguimos aproveitar a nossa tecnologia para ajudar os nossos consumidores e comerciantes a superar este desafio. Os comerciantes têm usado a sua criatividade e generosidade para continuar a servir os seus clientes e permitir-lhes pagar com tranquilidade“, afirmou Miguel Fernandes, Diretor de Negócios do PayPal em Portugal.

Sobre o estudo: Em nome do PayPal, a Ipsos entrevistou uma amostra de c.2000 (26.000 no total) inquiridos (com idades compreendidas entre 18 e 65 anos) em 13 países (Bélgica, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Países Baixos, Noruega, Polónia, Portugal, Espanha, Suécia e Reino Unido) para examinar como as pessoas fazem compras, vendem, enviam dinheiro e fazem donativos atualmente, como o querem fazer no futuro e que desafios registaram pelo caminho durante 3 períodos: pré-confinamento, durante e pós-confinamento. As entrevistas foram realizadas online entre 8 e 29 de Maio de 2020.

Comentários